Idioma do site
Português

Boletim Fatos & Dados #4

5

O ano de 2017 apresentou indicadores melhores em comparação aos registrados em 2016, um cenário que aponta para a recuperação. Mas é necessário ter cautela: a manutenção desses índices para 2018, como previsão de elevação do PIB ou do crescimento da economia, inflação controlada e o reequilíbrio fiscal, depende da aprovação de reformas estruturantes como a da previdência. Com previsão de voltar a ser debatida no Congresso Nacional no final de fevereiro, logo após o recesso parlamentar, a aprovação dessa reforma essencial para o País tem se mostrado cada vez improvável neste ano de eleições, uma vez que não há consenso político e novos benefícios para o funcionalismo público estão sendo negociados.

No mercado de trabalho, a recuperação tem sido gradual e contínua, com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) revelando quedas mensais na taxa de desemprego nacional. No fechamento de 2017, divulgado pelo IBGE em 31 de janeiro, a taxa de desocupação ficou em 11,8% no trimestre encerrado em dezembro, e o ano de 2017 fechou com taxa de desocupação de 12,7%. No total a população brasileira desocupada soma 12,3 milhões de pessoas, número que quase dobrou nos últimos três anos.

No Grupo Talenses, o balanço de 2017 foi positivo, mesmo tendo sido um ano marcado pela instabilidade política e econômica: o faturamento anual do Grupo cresceu 4% no acumulado do ano. Fazendo o recorte do segundo semestre do ano, comparado ao primeiro, a empresa registrou crescimento de 22% nesse indicador. Para 2018 o cenário é otimista: o Grupo Talenses estima crescimento de 28% no primeiro trimestre deste ano (comparado a igual período de 2017), já registrando, neste último mês de janeiro, número de contratações 12% superior ao registrado em janeiro de 2017.

O bom desempenho tem sido motivado por uma série de fatores, entre eles o início de retomada da economia, sobretudo no segundo semestre, um crescimento na procura por posições em top management, da mesma maneira que ocorreu com áreas como Finanças e Operações, além de um ganho expressivo na produtividade das operações da empresa.

No acumulado de 2017, observamos que as cinco áreas com maior demanda por contratações foram divisões de Finanças, Engenharia e Supply Chain, Marketing e Vendas, Serviços Financeiros e Tecnologia da Informação. De maneira geral, todas as posições mais buscadas no período se referem a áreas normalmente desaceleradas em épocas de instabilidade e que demonstram um esforço no sentido de adequar as equipes e a estrutura das empresas para um possível aquecimento. Os setores da economia que mais demandaram contratações foram os de bens de consumo, varejo e mercado de luxo, seguido de serviços financeiros, indústria, serviços profissionais, tecnologia da informação & telecomunicações.

A Talenses Executive, empresa do Grupo Talenses responsável por posições no C-Level das organizações (Top Management), segue demonstrando performance expressiva, tendo encerrado o ano de 2017 com crescimento de 33% em seu faturamento na comparação com o ano anterior. Destaque para o mês de julho passado, período em que foi registrada a maior variação positiva da empresa no ano.